TESTEMUNHOS - Tomás Costa - Academia de Música Santa Maria da Feira

Ir para o conteúdo

Menu principal:

HISTÓRIA

«

BOAS INSTITUIÇÕES
GRANDES INSTITUIÇÕES
Tomás Costa | Aluno e Violinista

As boas instituições educativas são sérias, competentes, bem estruturadas e eficazes na leccionação. As grandes instituições, por sua vez, são segundas casas: acolhem os seus alunos e docentes com a mesma familiaridade e calor de um lar, e plantam no seu futuro uma impressão inextinguível, que ultrapassa a mera aprendizagem e recolha de informação.
As boas instituições possuem pessoal qualificado e alunos empenhados. As grandes instituições abraçam através das suas fachadas, desenham experiências que se transformam em memórias queridas, e possibilitam o sonho para lá da capacidade.
As boas instituições formam profissionais. As grandes instituições formam pessoas.
As boas instituições são planeadas. As grandes instituições evoluem, desabrocham como um organismo vivo; são feitas de História e de futuro, e em ambas depositam a alma.
As boas instituições direccionam. As grandes instituições são um fim em si mesmo, em que a pedagogia e o espírito que a rodeia – nas paredes, nas pessoas e na memória mais ou menos distante – constituem um elo indissociável.
Estudei na Academia de Música de Santa Maria da Feira durante década e meia. Ao longo desse período cresci enquanto pessoa e nasci enquanto artista; aprendi sobre o mundo e sobre mim próprio; mudei, para melhor ou para pior, sempre abraçado pelas mesmas paredes brancas, pelos mesmos portões, pela mesma fachada que a cada dia me saudou de forma diferente, como só ela sabia fazer. Quando me analiso e encaro vivências passadas, deparo-me tanto com o seio do meu lar como com as caras e corações – amigos, autoritários, paternais, nutridores – com quem cresci nessa minha moradia musical. Dei-lhe também um pouco de mim próprio, espelhado algures nos seus azulejos, para um dia vir a ser respirado por aqueles que o futuro trouxer. Também eles aprenderão a conhecer, a interpretar e quiçá a amar a arte que lá se lecciona, alimentando um espírito colectivo em perpétuo enriquecimento.
Sempre acreditei, na inocência da meninez, que a Academia que frequentava era uma grande instituição. Hoje sei-o de certeza.

 
Voltar para o conteúdo | Voltar para o menu principal