Clarinete - Academia de Música Santa Maria da Feira

Ir para o conteúdo

Menu principal:

OFERTA PEDAGÓGICA

CLARINETE

Há clarinetes com caraterísticas suficientemente diferentes para se abordar desde as obras escritas nos seus primórdios de existência, até às do nosso século, quaisquer que sejam as suas origens e caraterísticas.

PROFESSOR:
Manuel Augusto Carvalho [+]

CLARINETE
Tudo começou com o Chalumeau, instrumento simples e rústico de palheta, com 6 a 8 orifícios que ao ser aperfeiçoado pelo construtor de instrumentos Johann Christoph Denner, cerca de 1700, deu origem ao clarinete. Durante anos, os nomes clarinete e chalumeau foram confundidos. Contudo, o clarinete foi ganhando o seu espaço e, na primeira metade do séc. XVIII, já preenchia um lugar importante no espetro orquestral, completando o naipe das madeiras e oferecendo aos compositores um novo timbre, um novo colorido. Esta é uma das suas mais importantes funções no seio da orquestra.

Data de 1730 a primeira menção ao clarinete e a Denner, na obra de J.S. Doppelmeyer, Historische Nachricht von den Nürbürgischen Mathematicis und Künstlern (1730). Refere que no início deste século, Denner inventa um novo tipo de chalumeau, o clarinete. Assim, o instrumento inventado por Denner no começo do século XVIII é considerado como um simples melhoramento do chalumeau e só mais ou menos a meio desse século é que o uso do clarinete se generalizou.

Apesar de compositores, desde Vivaldi, escreverem para clarinete (cerca de 1740), foi graças a Johann Stamitz e seu filho, Karl Stamitz, bem como aos compositores Ernst Eichner e Georg Fuchs, que compuseram para os membros da orquestra de Mannheim, que o clarinete participa pela primeira vez de forma regular, então com 3 chaves (1759), na formação da orquestra. Apesar disso, os clarinetistas tocavam também oboé e só em 1778 é que os clarinetistas o passaram a ser em exclusivo.

O nível dos instrumentos musicais continuou a elevar-se e, graças a compositores, virtuosos clarinetistas e luthiers, hoje o clarinete apresenta-se evoluído o suficiente para que qualquer clarinetista encontre um instrumento que o ajude a executar e interpretar as obras com os elevados níveis de dificuldade que se lhe deparam.

 
Voltar para o conteúdo | Voltar para o menu principal